Que a campanha do Grêmio como visitante é ruim em 2007, todos sabemos. Em jogos do Brasileirão e Libertadores, o Grêmio já atuou 25 vezes na temporada. São somente 5 vitórias (e apenas 3 delas fora do Rio Grande do Sul) e inaceitáveis 17 derrotas, totalizando somente 24% de aproveitamento.

Porém este problema não é de hoje. Ao longo da trajetória de Mano Menezes como treinador do Grêmio (que, inclusive, começou em um 2×1 para o Gama em Brasília na Série B 2005), os resultados como visitante não são bons.

Em 2005, na Segunda Divisão, o Grêmio teve alguns empates contra times inexpressivos ou muito ruins como CRB, União Barbarense, Caxias e o célebre 4×0 da Anapolina, que quase derrubou Mano Menezes. Mas no geral, o Grêmio foi bem: 58,3% de aproveitamento como visitante na Série B.

Já em 2006, na Primeira Divisão, o aproveitamento foi superior ao de 2007, mas também não foi muito bom: 7 vitórias, 4 empates e 8 derrotas, algumas difíceis de engolir como a da última rodada contra o rebaixado Fortaleza, que custou o vice-campeonato. Apenas 43,85% de aproveitamento.

As explicações? Várias, mas a principal delas é, para mim, a excessiva postura defensiva quando joga fora do Olímpico. O Grêmio se retrai tanto, que o adversário, seja ele bom ou limitado, acaba fazendo pressão e marcando um gol.

Postado por Alexandre Perin