Mônaco é sempre bacana. Ainda mais com chuva, algo que ocorreu em 1996 e 1997 pela última vez. A corrida deste ano foi a loteria de sempre, e contou com todos os ingredientes de um GP bacana: erros, grandes desempenho, barbeiragens, azares, sortes, alternâncias entre chuva e pista seca, etc. Méritos para Lewis Hamilton e Felipe Massa, que aproveitaram os erros de Kimi Raikkonen e mudaram a tabela de classificação.

Agora Hamilton é o líder, enquanto Massa está somente um ponto atrás do companheiro de Ferrari, atual campeão e principal adversário na disputa pelo título. E o melhor de tudo isto é que as chances de todos estes fatores aleatórios acontecerem no próximo GP, na seletiva, tradicional, bela e absolutamente imprevisível pista de Montreal no GP do Canadá, é muito grande.

A temporada 2008 consegue estar ainda mais legal que a de 2007, e olha que ano passado foi um espetáculo! Conforme prometido, aí vai a 2° edição dos “prêmio especiais” para os destaques (ou fiascos) do final de semana.

Troféu “Fiofó de Ouro” (para o sortudo do GP): Lewis Hamilton. Além de ter sido um dos melhores pilotos da corrida, ainda teve muita sorte. Bateu no início da prova, teve um pneu furado mas nem assim deixou de vencer a corrida!

Troféu “PENFCMBF” (para quem falou demais): Para a revista italiana “Autosprint“, que fez editorial e capa com Kimi Raikkonen, desprezando totalmente as chances de Felipe Massa em Mônaco. Deu no que deu, Kimi só fez bobagens e Felipe foi quase perfeito, perdendo o segundo lugar graças a um erro grosseiro de estratégia da Ferrari.

Troféu “Chris Amon” (para o azarado do final de semana): indiscutivelmente vai para o jovem alemão Adrian Sutil, que fazia corrida esplendorosa pela ridícula Force India e estava no ótimo 4° lugar quando foi abalroado de maneira grotesca pelo campeão mundial Raikkonen. Sutil teve de abandonar e saiu do carro aos prantos, em uma cena marcante. Mas ano que vem ele já deve estar em um carro melhor.

Troféu “Jim Clark” (para o melhor piloto da corrida): Este eu fiquei na dúvida. Resolvi dividir o prêmio entre Sutil, pela bela corrida que fez até ser atingido pela desgovernada Ferrari de Kimi, e Robert Kubica, em mais um passeio sobre Nick Heidfeld. O polonês está com mais do que o dobro de pontos do finlandês Heikki Kovalainen, que pilota uma poderosa McLaren.

Troféu “Rouge & Blanc” (para o piloto mais combativo do GP): Fernando Alonso. Como sempre dando um show em uma Renault visivelmente inferior à suas ambições.

Troféu “DMPFTA“: Estava muito perto de dar para Nelsinho Piquet, por mais um final de semana desastroso. Mas aí o Raikkonen faz aquela barbeiragem e resolve meu problema, levando o “Didi Mocó Prize For Technical Achievments“. Menção (des)honrosa para a Ferrari, que cometeu três erros grosseiros: pneus de Kimi antes da prova, uma parada bizarra de Massa com erro de estratégia e o último pit stop muito lento.

Postado por Perin, aguardando a ilha de Notredame