sde que o sistema de pontos-corridos foi adotado em 2003, a dupla Fla-Flu tem sido a recordista em trocar o comando técnico do time.

Com a entrada de Carlos Alberto Parreira no lugar de René Simões, o Fluminense completou 16 trocas e se igualou ao Flamengo neste `ranking da instabilidade`. O cálculo é feito sem considerar treinadores interinos mas contando, claro, interinos que foram efetivados como Marcelo Oliveira no Atlético-MG e Márcio Fernandes, no Santos.

Além das óbvias implicações desta análise, como maus resultados, falta de planejamento, erros nas avaliações de treinadores, o impacto dentro de campo é muito grande. O elenco acaba sofrendo com a instabilidade, sendo constantemente reavaliado sem sucesso ou segurança.

Logo atrás, o Atlético-MG, assolado por décadas sem títulos nacionais e só contabilizando duas Copa CONMEBOL no mesmo período (em 1992 e 1995). Rebaixado no Brasileiro de 2005, o Atlético-MG já trocou 15 vezes de treinador, a última ao substituir Émerson Leão por Celso Roth. Vasco da Gama e Corinthians, também rebaixados neste período, tiveram 13 trocas de comando técnico.

Porém o Corinthians já está com o mesmo treinador há quase um ano e meio. Mano Menezes segue sua trajetória no Grêmio, clube no qual ficou por dois anos e meio.

O Grêmio aliás tem um histórico de estabilidade no comando do time, lembrando dos quase quatro anos comandados pelo histórico Felipão. Desde 2006 foram apenas quatro treinadores e três trocas. O problema é o período imediatamente anterior, do instável ano do Centenário (2003) e do ano do segundo rebaixamento (2004) quando o Tricolor trocou oito vezes de técnico.

Na ponta oposta, vem o tricampeão brasileiro São Paulo, com míseras cinco trocas. Afinal, desde 2006 o treinador é o mesmo: Muricy Ramalho, a despeito de fases muito instáveis sobretudo em 2007 e 2008. Muitos apontam como este ano sendo o fim da “Era Muricy” no Morumbi, mas por enquanto segue tudo como está. O Internacional vem logo atrás com oito trocas no período:

Todos os técnicos do Grêmio:
2003: Tite, Darío Pereyra, Nestor Simionatto e Adílson Batista
2004: Adílson Batista, José Luis Plein, Cuca e Cláudio Duarte
2005: Hugo de León e Mano Menezes
2006: Mano Menezes
2007: Mano Menezes
2008: Vágner Mancini e Celso Roth
2009: Celso Roth e Paulo Autuori

Todos os técnicos do Internacional:
2003: Muricy Ramalho
2004: Lori Sandri, Joel Santana e Muricy Ramalho
2005: Muricy Ramalho
2006: Abel Braga
2007: Abel Braga, Alexandre Gallo e Abel Braga
2008: Abel Braga e Tite
2009: Tite