Pichação nazista em cemitério judaico na Escócia, e torcida do polonês Wisla comemorando os `88` anos do partido nazista/Montagem jornal Ayrshire Post e Flickr

Li uma matéria hoje citando entrevista de Felipe Melo para o jornal italiano Gazzetta dello Sport. Na exclusiva, além do volante de Dunga dizer que foi para a Juventus para efetivamente ter chances de conquistar títulos, o brasileiro diz que quer usar a camisa `88` na Juventus, seu novo time após sair da Fiorentina.

Gafe, e das feias, do brasileiro…

O titular da Seleção Brasileira, um moreno quase negro, certamente não sabe que está fazendo uma apologia ao fascismo/nazismo, corrente política poscrita após a Segunda Guerra Mundial mas que tem inúmeros adeptos sobretudo na Europa

O número “88” é um símbolo nazista oculto. “H” é a oitava letra do alfabeto e este número pode ser lido como “HH“, a abreviatura da saudação nazista “Heil Hitler“. Seguidamente é utilizadas em pichações, como ocorreu com um cemitério judaico escocês no ano passado em Ayr.

Em 2007, torcedores do Wisla Krakow favoráveis ao nazismo fizeram um bandeirão com o número no dia do 88º aniversário de fundação do Partido Nacional Socialista Alemão, vejam a foto no post.

Em 2000, quando foi negociado do Parma para a mesmíssima Juventus de Felipe Melo, o goleiro Gianluigi Buffon cometeu o mesmo erro. Escolheu a camisa de número 88, pois representava oito bolas (de futebol). Sob protestos da comunidade judaica e dos partidos socialistas, o arqueiro mudou para 77, ano do seu nascimento.

O problema é que alguns anos depois, ele deu entrevista com uma camisa com o seguinte slogan: “Boia chi molla“, que significa: “Morte aos covardes“, um slogan típico da extrema-direita italiana sobretudo nos tensos anos 70 na região de Régio Calábria. Novamente, ira dos socialistas, judeus e homossexuais contra o goleiro titular da Itália, que de novo disse que foi um equívoco sem intenção, já que ele apenas achou a frase “forte”.

Sinceramente? Acho que Felipe Melo não vai levar adiante a idéia…

SÉRIE ESPECIAL DO ALMANAQUE ESPORTIVO SOBRE O FASCISMO NO FUTEBOL:

– Iugoslávia: Futebol e fascistas: uma relação antiga na Iugoslávia

– Inglaterra: Os ingleses e os grupos fascistas no futebol

– Itália: Ultras: uma tradição italiana de violência