Paulo Autuori e o capitão Tcheco: eles não conseguem se entender. /Mauro Vieira, RBS

Agora ficou escancarado: existe uma divergência de pensamentos entre o capitão gremista Tcheco e o treinador Paulo Autuori. Eles podem negar, a diretoria pode rechaçar, mas está muito claro pelas declarações das últimas semanas.

Ontem de novo: “Temos de marcar mais, não digo na defesa, mas no ataque”, declarou Tcheco após a derrota de 1×0 para o Grêmio Barueri fora de casa.

A afirmação de Tcheco foi negada por Autuori, que disse que “faltou bola“, mesma linha de pensamento de Souza. Isto poderia ser visto simplesmente como uma discordância na leitura de uma partida, porém se soma a uma série de declarações desencontradas entre os dois e de Tcheco contra algum jogador.

Na derrota contra o Avaí, Tcheco falou na mesma linha. Já semana retrasada disse que “Quando perde, o culpado é o Tcheco e quando ganha é o `bonitinho` da torcida”. Semana passada, o vice de futebol Luís Onofre Meira deixou claro que o Grêmio está buscando mais um meia. Como Souza recentemente foi contratado em definitivo e seu futebol não tem contestações, só pode ser como opção para Tcheco.

Tenho parentes e amigos bem informados no Tricolor e sei que o Tcheco sempre teve `livre passagem` entre os dirigentes. Talvez isto tenha sido reduzido agora, e o capitão não tenha se adaptado à esta nova realidade.

Desde sua primeira passagem em 2006, passando pelo ano passado e este ano, ele conviveu com três treinadores no Olímpíco: Mano Menezes, Celso Roth e Paulo Autuori. Com Paulo Pelaipe e André Krieger comandando o futebol do Grêmio, sempre teve a braçadeira de capitão e muita influência no elenco de jogadores, além de dentro de campo mostrar ser um dos principais jogadores.

Com o passar da idade, e a eterna crítica de grande parte da torcida sobre seu `sumiço` nos jogos importantes, esta importância fora de campo começou a diminuir. O pior é que na minha opinião, ele tem razão: o time do Grêmio marca a distância, sem chegada e com pouca intensidade. Ou sem “pegada“, palavra que Autuori detesta.

Agora Souza, fã confesso de Paulo Autuori, entrou em atrito forte com Tcheco. Há instantes, declarou sem maiores rodeios: “– Não sou de ficar falando de A ou B, essa não é minha índole“. Depois, perguntado se a polêmica de Tcheco, que disse faltar pegada, estaria prejudicando o elenco, ele foi definitivo: “-Se não estivesse eu não estaria aqui dando entrevista a vocês“.

Como disse na chegada do técnico gremista, sua vinda para o Olímpico seria uma `quebra de paradigmas` no estilo de jogo. Um time mais leve, ofensivo e menos aguerrido.

Resta saber se também será o fim da “Era Tcheco” como capitão e titular indiscutível do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense.

Para vocês, quem tem razão?

Tcheco ou Autuori? Opinem!

P.S. Eu acho que Tcheco tem razão, mas que ele não tem mais futebol para ser titular do Grêmio

Postado por Perin, opinando…