Eu tinha certeza que teríamos um GP da Austrália muito melhor que o do Bahrein! Ao contrário da modorrenta prova de abertura em Sakhir, a ousada e intrigante pista de Albert Park em Melbourne nos trouxe muitas emoções. Bom para o vitorioso Jenson Button, que ousou na estratégia e acabou recompensado.

Ultrapassagens do início ao final da prova, estratégias distintas causando impacto no resultado final, manobras ousadas e pegas curva à curva. Excelente!

Corrida muito boa para o polonês Robert Kubica, que consegue ir mais uma vez melhor que seu Renault inconfiável. Bom ainda para Felipe Massa, que recuperou-se do erro em Sahkir e superou o rival Fernando Alonso. De quebra, conseguiu terminar uma prova em Melbourne, algo raríssimo na carreira. Lucas di Grassi completou a prova, enquanto Bruno Senna seguiu seu calvário.

A chuva deu uma embaralhada no início da prova, mas as emoções duraram toda a corrida. E comprovaram a minha (e de outros) tese de que o que faz a diferença é quase sempre os circuitos: quando a pista favorece ultrapassagens, elas ocorrem com facilidade e emoção.

Vamos aos prêmios? Prometo (tentar) não atrasar mais na próxima semana.

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010:
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Troféu “Jim Clark” – Jenson Button, que largou mal (bateu), arriscou ao colocar pneus secos antes dos demais e foi recompensado com uma vitória brilhante. Menção honrosa para Robert Kubica, que largou lá atrás e conseguiu um belíssimo segundo lugar com sua irregular Renault.

Troféu “Rouge & Blanc” – Lewis Hamilton, showman da prova. Lutou, se esforçou, tentou, errou. Merecia melhor sorte.

Troféu “Chris Amon” – Sebastien Vettel… De vitória tranquila para uma parada na brita. Problemas mecânicos causaram a escapada e abandono.

Troféu “Fiofó de Ouro” – Kamui Kobayashi, Sebastien Buemi e Nico Hulkenberg, que se escaparam de um acidente bem forte. Exatamente aonde o Martin Brundle quase se matou em 1996 (veja)

Troféu “Didi Mocó Prize For Technical Achievements” – Para a prova deplorável de Michael Schumacher. Bateu no início (sem culpa, é verdade), mas depois levou “X” do Timo Glock e passou quase 40 voltas atrás do Jaime Alguesuari, que visivelmente está melhor este ano. Menção desonrosa para a Virgin, que colocou combustível de menos e teve de largar dos boxes para evitar a pane seca.

Troféu “Porquê Eu Não Fiquei Com Minha Boca Fechada”
– De novo para a confusa narração global. Galvão Bueno reclamou da transmissão da FOTA, mas ele que demorou um tempão para perceber que Massa tinha feito um péssimo pitstop e já tinha perdido posições (sem precisar ‘esperar mais algumas voltas’). E o Reginaldo também tem que prestar mais atenção nestes detalhes.

Troféu “Dick Vigarista” – Para o anfitrião Mark Webber, em mais uma corrida azarada na Austrália. No final, completou a série de erros em uma manobra desastrosa que tirou pontos de Hamilton e de si mesmo.

VEJA TAMBÉM:

COMO FOI O GP DA AUSTRÁLIA EM 2009:
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/03/30/gp-da-australia-brawn-gp-vim-vi-e-venci/