Depois da sofrida classificação do Internacional ontem sobre o Novo Hamburgo na disputa de pênaltis, resolvi relembrar todas as disputas nos últimos anos envolvendo a dupla Gre-Nal. Amanhã publico sobre o Grêmio.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=G4b6JM9G3iQ&w=480&h=385]
Porquê escolho este ano de 1994? A opção é puramente acidental, já que não tenho memória nem dados do período antes disto (do Gauchão) e eu voltei a morar no RS justamente neste ano. Antes disto, tivemos disputa de pênaltis importantes em 1989 (derrota na semifinal da Libertadores para o Olímpia) e 1992 (vitória sobre o Grêmio na Copa do Brasil).

Se lembrarem de alguma, em torneios OFICIAIS, mandem!

CLASSIFICAÇÕES COLORADAS

  • Internacional 2 (3) x (2) 0 Santos, Copa do Brasil 1997
  • Internacional 2 (4) x (1) 2 Glória, Gauchão 2004
  • Internacional 1 (4) x (2) 1 Figueirense, Copa Sul-Americana 2004
  • Novo Hamburgo 3 (4) x (5) 3 Internacional, Gauchão 2010

ELIMINAÇÕES COLORADAS

  • Internacional 1 (3) x (5) 0 América-MG, Copa do Brasil 1998
  • Paulista 1 (4) x (2) 0 Internacional, Copa do Brasil 2005

Algumas curiosidades dos confrontos colorados:

  • A derrota de 1998 ficou marcada pelo pênalti desperdiçado por Enciso. A bola bateu em uma trave, correu sobre a linha, bateu na outra trave e nas costas do goleiro Gilberto, sem entrar.
  • O triunfo de 1997 pela Copa do Brasil ficou marcado pelas três defesas do arqueiro André.
  • Em 2004, o Inter fez um péssimo jogo contra a sensação Glória, do técnico Bagé. Chegou a estar perdendo na prorrogação. Venceu nos pênaltis e tirou a chance de uma final 100% dos pequenos (a Ulbra foi a outra finalista depois de despachar o Grêmio).
  • Uma das mais surpreendentes disputas foi de 2004 na 1º fase da Copa Sul-Americana. O Inter levou o gol de empate do Figueirense no último minuto. Mas nos pênaltis venceu facilmente.
  • O jogo mais famoso foi o de 2005, quando o futuro campeão Paulista de Jundiaí eliminou o Inter em disputa de penalidades. E nem uma tenebrosa bobagem de Djalma Beltrami (sim, o mesmo juiz fraco de sempre, que no final daquele mesmo ano ano faria outro desastre na “Batalha dos Aflitos“). Perdigão cobrou, a bola bateu no travessão e dentro do gol, mas o árbitro não viu. O bandeirinha viu e assinalou, mas o juiz, depois de invasão de campo da torcida do Paulista, não voltou atrás.