Ayrton Senna, um dos maiores mitos da história do automobilismo mundial, irá para as telas de cinema. Está em fase final de produção um documentário japonês sobre o piloto brasileiro tricampeão mundial de Fórmula-1, a ser lançado no dia 8 de outubro, neste ano no qual Senna completaria 50 anos.

O site oficial está em japonês (http://www.senna-movie.jp/)e ainda não temos data para lançamento no Brasil. Vejam o trailer oficial:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=z9SJYmFi0m0&w=560&h=385]

O nome provisório no Brasil é “Senna – a lenda do maior piloto que já viveu”. Entendendo como um apelo marqueteiro um título tão definitivo assim, mas certamente será um dos documentários de maior bilheteria do planeta. Os milhões de fãs no Brasil e Japão por si só garantirão uma bilheteria recorde.

Pessoalmente, considero Senna no Panteão dos maiores do automobilismo na história, e certamente sua trágica morte aumentou a lenda sobre o piloto que em vida já tinha uma legião mundial de fãs. Não o considero perfeito e admirei a vida inteira pilotos tão bons quanto ele, como Alain Prost, Michael Schumacher ou ainda Nélson Piquet. Posso falar isto, pois Senna foi um ídolo especial de infância, talvez o meu maior. Ou seja, ‘sennistas‘ não tenham chiliques. Sou um de vocês.


Documentário sobre o tricampeão mundial será lançado no cinema - reprodução http://www.senna-movie.jp/

Com seus defeitos e virtudes, Senna errou e acertou tanto quanto outros pilotos. Fez manobras arriscadas, colocou sua vida e de outros em risco propositadamente (Suzuka, ’90), mas também deu espetáculo. Ajudou pessoas que desconhecia em ações que ficaram na névoa da discrição até sua morte (o embrião do instituto IAS).

Sobre isto, é inegável que se tornou uma espécie de mártir. Sua morte em Ímola, 1994 acabou por transcender o imaginário normal para alcançar o status da imortalidade… Ela iniciou uma mudança profunda nos critérios de segurança da Fórmula-1 e das demais categorias do automobilismo, tanto nos carros quanto nos circuitos. Não é à toa que ele foi a última vítima fatal na categoria, que jamais havia ficado 16 anos sem tragédias nas pista.

De brinde, a melhor volta de todos os tempos. Donnington Park, 1993, GP da Europa. Senna larga em quarto, cai para quinto ao final da primeira curva e, em uma única volta, passa todo mundo e assume a ponta. Confiram na narração de Galvão Bueno:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=X_ZTSy4ot2Q&w=560&h=385]

Bom, se o filme for tão bom quanto o trailer, mostrando todos os lados da complexa personalidade do vitorioso “da Silva”, que rebatizou o autódromo de Silverstone nos tempos de F-3 para “Silvastone” de tanto que venceu por lá, teremos um sucesso de crítica.

Pois de público isto é certo.