Grandes clubes europeus se tornaram PLC (Private Limited Company, ou Companhia Limitada) nos últimos 20  anos. Entre eles, os dois maiores da Inglaterra, Manchester United e Liverpool. Estes clubes estavam muito sólidos financeiramente e com a decisão, capitalizaram muitos recursos.

Porém existe um risco: o clube ser comprado por um dono que levasse o clube às dívidas. Este preço está sendo pago pelos dois maiores do futebol inglês, envolvidos em polêmicas com seus ‘donos’ (um deles já ex-dono) e em decadência técnica dentro de campo.

Nos próximos dois dias, os leitores do Almanaque Esportivo irão receber uma detalhada análise de como estes times entraram em um processo de enorme endividamente , impactando na ausência de reforços, problemas de caixa, fúria dos torcedores e, principalmente, comprometem o futuro técnico dos times.

Imagens da campanha "Love United - Hate Glazer" - reprodução http://www.loveunitedhateglazer.com/

Hoje é a vez do Manchester United e sua relação turbulenta com o dono, o norte-americano Malcolm Glazer. Amanhã o Liverpool, recentemente negociado pelos impopulares Tom Hicks e George Gillett , comprado pelo investidor norte-americano John W. Henry, também dono do mítico Boston Red Sox, time de beisebol dos Estados Unidos.

Se a situação já era ruim em março, quando postei  “Cavaleiros Vermelhos” e a torcida do Manchester United contra família Glazer , a situação só tende a piorar em Old Trafford. Os cada vez mais ruidosos protestos em Stretford End (com as já célebres “green & gold” scarves, mantas com as cores verde e ouro dos primeiros tempos do clube, agitadas com cânticos do tipo “Vamos fazer uma festa quando Glazer morrer“, “Ame o United, odeie o Glazer” ) antes e ao final de cada jogo do Manchester United (veja vídeo), devem aumentar e muito de proporção nos próximos meses.

Depois da quase saída do astro Wayne Rooney devido à falta a falta de ambição do clube, incluindo principalmente a saída de astros e a ausência de reposição à altura. Mesmo que na quinta-feira passada o atacante inglês tenha renovado por mais cinco anos, pairam sérias dúvidas sobre a qualidade futura da equipe. Quatro atletas vitais na história do clube estão se aposentando em até dois anos, assim como o técnico.

O lendário treinador escocês Alex Ferguson deve se aposentar ao final desta ou da próxima temporada, no cargo desde 1986. O craque galês Ryan Giggs, que completa 37 anos mês que vem, deve se aposentar ao final desta temporada 2010/11, assim como o lateral-direito Gary Neville. Bastante provável ainda a aposentadoria do excelente meia Paul Scholes em até dois anos, o mesmo ocorrendo com o grande goleiro holandês Edwin Van der Sar.

As saídas de Carlos Tévez e Cristiano Ronaldo nos últimos dois verões já impactaram a qualidade do time. Contratações como Gabriel Obertan, Chris Smalling, Bebé, Michael Owen e Javier Hernandez não foram empolgantes, nem no aspecto técnico, tampouco no retorno de marketing. Aliás este último é o que tem obtido melhor resposta até agora. Somente o meia-direita equatoriano Antonio Valencia correspondeu completamente ao dinheiro investido.

Isto já demonstra o desafio que será enfrentado pelo Manchester United nos próximos 5 anos. Porém o clube tem investido cada vez menos em reforços de elite. O endividamento, que era inexpressivo em 2004,  hoje supera 700 milhões de euros, quase toda a dívida composta em encargos financeiros decorrentes da compra do time pelos Glazer. Eles transferiram as dívidas feitas na aquisição para o clube.

O mais impressionante é que o então presidente executivo, David Gill, era contra a compra. Depois se tornou a favor e como ‘prêmio’, manteve o cargo na nova gestão. A torcida se revoltou na venda, com 10 mil em uma passeata nas ruas de Manchester, em frente à MegaStore do clube. E um boicote de 23 mil torcedores ao jogo seguinte da compra.

Os Glazers ainda são acusados de praticamente não estarem na cidade e terem pouco envolvimento com o clube, apesar dos dois filhos de Glazer estarem no Comitê Executivo do time. Os ingressos quase dobraram de preço (algo absurdo frente à inexpressiva inflação britânica naquele período, e os produtos também encareceram bastante. As receitas aumentaram consideravelmente, mas nem assim o endividamento caiu.

Estas perguntas e incertezas devem ter embasado as reclamações de Rooney (alheias à questões mais simplistas, como o salário relativamente baixo da estrela perto dos demais jogadores do elenco). Dois grupos já tentaram comprar o clube, um deles reunindo milionários torcedores do clube, mas sem sucesso.

Os Glazers persistem.

Enquanto isto, mais protestos como estes serão vistos em Streford End:



[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=UeA57FXCPA4&w=480&h=385]