O argentino Hernán Barcos chegou em janeiro com uma aura espetacular, sendo um dos principais reforços do Grêmio para a Copa Libertadores 2013. Ele, que tinha prometido jogar a Série B pelo Palmeiras, mudou de ideia logo depois e aceitou um ótimo salário no Tricolor Gaúcho para ser o comandante de ataque em busca do tricampeonato da América. De cara, marcou 3 gols e 4 assistências, além de ótimas atuações nas primeiras oito partidas.

Barcos comemorando: cena rara em 2013

Barcos comemorando: cena rara em 2013

Porém o “Pirata” passou um período de seca longa duas vezes: seis jogos e depois outros seis jogos, com apenas 1 gols em 13 jogos. Mas a sequência atual é pior: desde o gol de pênalti contra o Náutico há nove jogos, Barcos não marca. Os dois gols anteriores foram de pênalti (contra o Náutico e contra a Portuguesa). Até agora são 12 gols e 8 assistências em 44 jogos, média de gols de 0,27 por partida. Muito pouco para quem prometeu 28 gols em 2013.

Barcos custou quase 7 milhões de reais para o Grêmio (4 milhões direto para o Palmeiras, 1,5 milhões para a LDU de uma dívida do Palmeiras pela compra do próprio Barcos e 1.3 direto para o jogador), um atleta em definitivo (Vílson) e três por empréstimo (Rondinelly, Léo Gago e Leandro).

Com salários estimados em 450 mil reais por mês, o custo total de sua contratação até o momento chega a 11,5 milhões de reais desde janeiro. Dá para dizer que cada gol de Barcos custou 1,15 milhões de reais para o Grêmio, em um retorno muito abaixo do previsto. Dá para dizer que cada gol de Barcos em 2013 custou quase 1 milhão de reais. 

É o pior período de Barcos nos últimos anos. Ano passado, fez 14 gols em 29 jogos pelo Palmeiras (0,48 gols por jogo). Na LDU foram impressionantes 48 gols em 64 jogos (0,75 gols por jogo).

Quarta-feira, contra o Corinthians, Barcos tenta quebrar a longa sequência contra a melhor defesa do continente.