Por Daniel Machado* – @danielimprensa

Campanha extraordinária, com 11 vitórias e uma derrota em 13 partidas. São 34 pontos de 39 pontos disputados. Aproveitamento de 87,17%. Desempenho praticamente perfeito que deixa o time na liderança e, por que não, mostra um favoritismo ao título da temporada. Certo? Bom, não na Espanha. Não para o Atlético de Madrid.

Esse é o quadro que a equipe colchonera, como é conhecido o Atlético, enfrenta para buscar o título que não vem desde a temporada 1995/96. A outra parte do cenário é que explica a dificuldade de fazer uma temporada assim e não ter, ao menos em princípio, chances reais de conquistar o campeonato.

De um país que passa por sérias dificuldades econômicas: a Espanha está com índices recordes de desemprego. Contudo, essa realidade não é a mesma dos gigantes espanhóis Barcelona e Real Madri, clubes que, inevitavelmente, o Atlético precisa superar se quiser ser campeão 18 anos depois. Além de serem clubes com milhões de fãs no mundo, com mídia que gera receitas estratosféricas, Barcelona e Real Madrid têm, dentro da Espanha, uma vantagem financeira absurda se comparada a qualquer outra liga da Europa. Cada um dos times recebe, simplesmente, mais do que triplo que os colchoneros de direitos de televisão.

Enquanto Real e Barcelona recebem cada um valores que, conforme várias fontes consultadas, variam entre € 136 milhões a € 142 milhões por ano de direitos de televisão, o Atlético e o Valência recebem cerca de € 40 milhões cada. Isso mesmo, uma diferença de cerca de cerca de € 100 milhões no dinheiro da TV. E os colchoneros e valencianos são os que mais recebem da TV depois dos dois gigantes.

Vicente Calderón 2

Essa é, de longe, a pior divisão de direitos de televisão das grandes ligas de futebol do mundo. Um dos problemas que ocasionou isso é a venda individual. Cada clube vende os seus direitos, como no Brasil. Inclusive, o assunto já foi debatido por este Almanaque 

Falando em receita geral, a diferença é mais abismal ainda. O orçamento anual dos dois gigantes estaria em valores entre € 480 milhões e € 500 milhões, enquanto o do Atlético é de cerca de € 110 milhões. Importante ressaltar que o Atlético é patrocinado pelo governo do Azerbaijão, país politicamente europeu, mas que também tem território na Ásia. Esse patrocínio, diga-se a verdade, coloca o Atlético em um patamar financeiro superior aos demais rivais de La Liga, embora muito longe dos dois gigantes.

Óbvio que dinheiro, sozinho, não ganha campeonato. Mas ajuda e muito. Chelsea e Manchester City na Inglaterra, PSG na França, são alguns dos exemplos espalhados pela Europa que provam que cofres cheios podem fazer a diferença.

Desde a temporada 2004/2005, Barcelona e Real Madrid têm se revezado na conquista do caneco e, nos últimos anos, com larga vantagem sobre os demais concorrentes. A exceção foi 2012/2013, quando o Atlético fez uma excelente campanha, mas mesmo assim terminou em terceiro.

TIMES
Toda a diferença econômica, claro, se reflete diretamente nos elencos. Bale, Cristiano Ronaldo, Casillas, Messi, Xabi Alonso, Neymar, Alex Sanches, Sérgio Ramos, Xavi, Iniesta, Piqué são algumas das estrelas milionárias de Real e Barcelona.

Porém, nesse quesito, embora não com elenco tão profundo e milionário, o Atlético tem um time bastante bom, comandado pelo excelente técnico Diego Simeone, no clube desde dezembro de 2011. O clube conta com a formidável fase do atacante Diego Costa, agora ‘espanhol’, artilheiro do campeonato. Tem uma defesa segura, onde jogam Miranda (ex-São Paulo), o uruguaio Godín, o brasileiro Felipe Luís, e o eficiente Juanfran. O goleiro é mais uma das grandes revelações belgas: Thibaut Courtois.

Falcão comemora gol

A única estrela de renome é David Villa, jogador que está melhorando nas últimas partidas. No entanto, o Atlético é um time raçudo ao extremo, que, quando joga em casa, conta com um grande respaldo de sua torcida, que canta quase o tempo todo e parece quase sulamericana. Paralelamente ao Campeonato Espanhol, o clube está na Liga dos Campeões, onde tem quatro vitórias em quatro jogos é o único time do torneio que já garantiu a classificação em primeiro lugar.

É possível ganhar o Campeonato Espanhol? Um sonho, nada provável, mas possível.

Curiosidades e dados sobre o clube

– Fundado em 26 de abril de 1903, o Atlético de Madrid é quase um irmão mais novo do Athletic de Bilbao. O clube a capital foi fundado por estudantes bascos e tem o seu nome por causa do time de Bilbao;

– O time começou a usar o uniforme vermelho e branco com listras verticais em 1911 e o apelido de “colchonero” é em razão dos colchões da época na Espanha serem semelhantes;

– O estádio do Atlético de Madrid, o Vicente Calderón, foi inaugurado em maio de 1972 e o seu nome é homenagem ao então presidente do clube;

– O Atlético de Madrid é campeão do Mundo (Copa Intercontinental) sem ser campeão da Europa. Na final europeia de 1974, foi surrado por 4 x 0 pelo Bayern de Munique, mas os alemães se negaram a jogar o Mundial da época. Os colchoneros jogaram e venceram o Independiente pelo placar agregado de 2 x 1 após duas partidas;

– Em 2010, o clube ganhou a Liga Europa tendo o uruguaio Diego Forlán como o grande destaque do time;

– Em 2016, o Atlético de Madrid deve inaugurar seu novo estádio, com capacidade para 70 mil pessoas. No atual, cabem 54 mil pessoas;

– No fim da temporada 2012/2013, após garantir a classificação para atual Liga dos Campeões e derrotar o Real Madrid depois de 14 anos na final da Copa do Rei, o Atlético vendeu o então disparado melhor jogador e artilheiro Falcão Garcia por cerca de € 60 milhões. Ele havia sido comprado no final da temporada 2011/2012 por € 40 milhões;

– Conforme informações, em meados dos anos 1990, o Atlético, ou os seus torcedores conhecidos como “ultras”, contrataram alguns adeptos do Boca Juniors da Argentina para que passassem um ano em Madri ensinando os colchoneros a cantar e torcer. Verdade ou mito, o Atlético tem, na minha opinião, a torcida mais vibrante da Espanha (não consegui link que confirmasse essa contratação de torcedores);

– Tampouco achei muitas pesquisas confiáveis, mas pode-se dizer que em torno de 5% das pessoas da Espanha torcem para o Atlétco de Madrid, que disputa a terceira posição em número de aficionados com o Athletic de Bilbao e o Valência;

*Daniel Machado é jornalista, trabalha na área desde 2000, passou por jornais de Bagé e mora em Palmas (TO), desde 2006. Foi editor de Estado, Política e editor substituto de Esporte no Jornal do Tocantins, principal jornal daquele Estado. Atualmente é superintendente de Conteúdo e Projetos Especiais na Agência Tocantinense de Notícias, órgão de jornalismo do governo do Estado. E, sim, ele simpatiza com o Atlético de Madrid.

Fontes consultadas: