2005. Muricy Ramalho tinha retornado ao Inter em setembro do ano anterior e iniciava a temporada depois de uma recuperação sensacional na reta final do Brasileiro e uma campanha empolgante na Copa Sul-Americana (caiu nas semifinais contra o poderoso Boca Juniors de Carlos Tévez). O treinador recebeu reforços de peso como Jorge Wagner, Índio e Tinga, além da manutenção dos destaques do ano anterior: Fernandão, Élder Granja, Alex e Rafael Sobis.

Em situação financeira catastrófica, o Grêmio não tinha dinheiro nem time após o rebaixamento para a Segunda Divisão. Apenas o Juventude parecia ser páreo para o Colorado, ainda com um time de Primeira Divisão.  Treinado por Mano Menezes, o Caxias tinha um bom time enquanto o 15 de Novembro de Campo Bom se destacava com jogadores que depois foram para o Inter: Edmílson, Ediglê e… Perdigão! Caminho tranquilo para o Colorado ser campeão, certo? Nada mais errado. 

Com uma preparação física extenuante, o Colorado iniciou travado o Estadual. Empatou a duras penas com o Farroupilha em Pelotas, repetiu o empate no Beira-Rio contra o Glória em 0x0. Na terceira rodada, levou 1×0 do Veranópolis e ainda perdeu Alex com grave lesão. A crise começou.

Na quarta rodada, 0x0 com o Novo Hamburgo no Beira-Rio e a pressão aumentou. Acabou? Que nada, na rodada final do primeiro turno, levou 1×0 do Santa Cruz no estádio dos Plátanos. Naquele momento o Inter era simplesmente o vice-lanterna com 3 pontos em 5 jogos.

O treinador Muricy Ramalho já deixava claro que tinha largado a toalha: “Cair fora agora não é o fim do mundo. É início de ano e temos um time em formação… A fase não é boa. Temos que ter humildade, tranquilidade, seguir trabalhando e pedir que a torcida continue acreditando no time”. Na rodada seguinte, o Inter bateu o Santa Cruz por 2×0 no Beira-Rio e amenizou a crise.

Mas o desastre se anunciou na sétima rodada: o Inter levou 2×1 do Novo Hamburgo no antigo estádio Santa Rosa, com direito a um gol de cabeça do veteraníssimo Naldinho aos 45 do 2º tempo e com Rafael Sóbis errando pênalti.

O drama colorado em 2005

O drama colorado em 2005

Faltando três jogos, o Inter tinha seis pontos em sete jogos e era lanterna do grupo 1. Venceu o Veranópolis (1×0), Glória (2×1 de virada no finalzinho) e Farroupilha (2×0) e se classificou na segunda colocação com 15 pontos. No triangular semifinal, novamente se atrapalhou todo e precisou bater o Glória em Vacaria de novo para se classificar.

No fim, foi campeão gaúcho batendo o 15 de Novembro em Campo Bom na prorrogação, depois de vencer o jogo de ida no Beira-Rio e perder no tempo normal no Sady Schmidt.

Como previsto em janeiro, o tetracampeonato estadual chegou ao Beira-Rio.

Mas com muito sofrimento…