Brasil de Pelotas e Ypiranga de Erechim deram alegrias aos seus torcedores nesse último final de semana. O time da Zona Sul conseguiu retornar à Série B depois de 16 anos de ausência, enquanto a equipe do Alto Uruguai irá participar, pela primeira ve em sua história, da Série C nacional.

Pode significar um sinal de recuperação dos times do interior gaúcho, normalmente os mais fortes do país após o estado de São Paulo, mas que sofriam com acentuado declínio em resultados nos últimos 15 anos, perdendo muito espaço para os times mineiros.

O time xavante superou 60 mil torcedores do Fortaleza ao arrancar um 0x0 em pleno Castelão, depois de vencer por 1×0 o jogo de ida no Bento Freitas. É o 3º acesso em três anos: Série A do Gauchão em 2013, Série C nacional em 2014 e agora Série B nacional. O Brasil foi duas vezes seguidas campeão do Interior no Gauchão: 2014 e 2015, ficando em 3º lugar geral.

Já a façanha da equipe canarinho é igualmente impressionante: campeã da Série B do Gauchão em 2014, o Ypiranga fez ótima campanha no Gauchão, ficando em 5º lugar. Na Série D conseguiu o acesso batendo a Caldense, tradicional equipe mineira e vice-campeã estadual esse ano, nos pênaltis por 4×3 após dois empates em 1×1.

Brasil de Pelotas e Ypiranga de Erechim promovidos em competições nacionais - Foto: Carlos Insaurriaga (Brasil) e site oficial Ypiranga

Brasil de Pelotas e Ypiranga de Erechim promovidos em competições nacionais – Foto: Carlos Insaurriaga (Brasil) e site oficial Ypiranga

Isso mostra uma recuperação dos números do interior gaúcho nos últimos anos. Os dois acessos deste ano, mais o do próprio Brasil de Pelotas em 2014 para a Série C e do Juventude em 2013 para a mesma divisão, mostram bons resultados recentes, mesmo considerando-se o rebaixamento do Caxias nesse ano para a Série D.

Novelletto gosta muito de comparar seus resultados com os de Santa Catarina, dizendo que “a força da Dupla Gre-Nal” era tamanha que sugava os times do interior. Porém o mesmo fenômeno não está sendo observado em Minas Gerais, que tem duas forças igualmente hegemônicas: Cruzeiro e Atlético. Tratei sobre isso em post do Almanaque datado de 2011:

FUTEBOL DO INTERIOR GAÚCHO SE AFUNDA ATRÁS DE MG NO CENÁRIO NACIONAL

Desde o início da “Era Novelleto”, os números ruins se seguiam no futebol estadual. Com os acessos dos últimos três anos melhoraram bastante:

  • Em 2002, quando Novelleto substituiu Emídio Perondi e assumiu a FGF, o RS tinha 3 times na Série A (Grêmio, Internacional e Juventude), 1 na B (Caxias) e 2 na Série C (Brasil de Pelotas e Ulbra), seis times.
  • Em 2002, MG tinha 2 times na Série A (Atlético-MG e Cruzeiro), 1 na Série B (América-MG) e 2 na Série C (Ipatinga e Tupi), cinco times.
  • Em 2012, auge dos resultados ruins, o RS teve : 2 times na Série A (Grêmio e Internacional) e Caxias na Série C, no total três times.
  • Em 2012, MG estava com: 2 times na Série A (AtléticoCruzeiro), e três na Série B: (América-MG, Boa Esporte e Ipatinga), e o Tupi na Série C, seis times ao todo
  • Em 2016, o RS terá 2 times na Série A (Grêmio e Internacional), 1 na B (Brasil de Pelotas) e 2 na Série C (Juventude e Ypiranga), cinco times no total
  • Em 2016, MG terá seis times nas Séries A,B e C: Cruzeiro e Atlético garantidos na Série A, América-MG garantido na B e podendo subir; Tupi garantido na B, Boa Esporte garantido na B podendo cair e Tombense garantido na C.
  • Desde 2002, foram seis rebaixamentos e cinco acessos para os times do RS.
  • Desde 2002, foram oito rebaixamentos e onze acessos para os times de MG.