Hoje, dia 11 de maio, completa-se 32 anos do desastre de Valley Parade, um incêndio de grandes proporções que matou 56 torcedores. Foi um dos símbolos dos descasos das autoridades públicas e dos clubes de futebol com a segurança nos estádios ingleses, que ainda teria seu mais triste capítulo quatro anos depois, em Sheffield no estádio Hillsborough. Essa história já foi dissecada pelo Almanaque Esportivo em 2012. Eles modificariam o futebol inglês para sempre após a confecção do “Relatório Taylor” que mudou os estádios e as normas de segurança no Reino Unido, sendo repassadas para todos

Na ocasião, pela última rodada da terceira divisão inglesa, o Bradford City, já campeão, recebia o Lincoln City no obsoleto e arcaico estádio de Valley Parade, com suas arquibancadas e telhado de madeira, décadas de lixo depositadas abaixo das arquibancadas. Um incêndio, causado por uma bituca de cigarro acesa no meio dos papéis, em quatro minutos engolfou 1/4 do estádio. Foi notado por um torcedor, que acionou o steward (fiscal). Este pediu por rádio um extintor, mas a comunicação foi mal interpretada no rádio e toda a brigada de incêndio foi acionada. Pura sorte.

Na ocasião, dezenas de torcedores morreram queimados presos nas roletas, em acessos bloqueados ou forçando as saídas de emergência e tentando fugir para o gramado. Além dos mortos, absurdos 265 torcedores ficaram feridos, muitos deles com sequelas permanentes.

Imagens do incêndio no Valley Parade 1986 - Foto: Telegraph

Imagens do incêndio no Valley Parade 1986 – Foto: Telegraph

Quando chegou a brigada de incêndio, que tinha sido chamada equivocadamente, o incêndio já era massivo, mas ela teve que ajudar no resgate dos torcedores. Morreram 54 torcedores do Bradford e dois do Lincoln. A maioria dos mortos morreu esmagada em uma das saídas, que não foi aberta, e presa nas roletas, mas alguns morreram tentando sair pelos banheiros. Também pereceram dois idosos sentados em seus assentos, incluindo um ex-presidente do Bradford City, Sam Firth, de 86 anos.

Mais de 50 pessoas receberam comendações das autoridades por atos de heroísmo salvando outras pessoas. Torcedores forçaram as saídas do estádio, enquanto pessoas nas ruas também ajudaram a arrebentar os portões, permitindo a fuga dos torcedores em pânico. O número de mortos poderia ter chegado aos milhares se o estádio tivesse uma tela que impedisse parte da torcida ir pra dentro do campo, como aliás ocorreu em Sheffield quatro anos depois.

Bradford City Football Club Fire Disaster 11 May 1985 Fifty six people die

Bradford City Football Club
Fire Disaster 11 May 1985
Fifty six people die

Imagens em tempo real do incêndio, com narração dos incidentes:

LEIA TAMBÉM

JUSTIÇA: 23 anos depois, tragédia em Hillsborough ainda abala Liverpool

Relatório Taylor: como mudar o futebol de um país